Autor: Sérgio Padrão Fernandes
Cidades Imaginadas nos Planos de Urbanização de Cabo Verde, 1934/1974
30-11-2016

Apresentação do livro

O último momento de evolução da cidade africana de matriz portuguesa, em Cabo Verde, ocorreu no século XX e correspondeu a um período caracterizado pela utilização do Plano de Urbanização como principal instrumento de intervenção urbana. Nos pequenos aglomerados populacionais, os planos utilizaram os elementos tradicionais de composição e estabeleceram operações de consolidação e crescimento que procuram um entendimento do espaço urbano como algo compacto e finito, contínuo e com uma forma pública bem definida. Pelo contrário, a explosão demográfica nas cidades motivou a elaboração de Planos Directores para a reestruturação dos tecidos, optando ideologicamente por uma postura de ruptura com as formas urbanas do passado que, ainda sob a influência do pensamento do Movimento Moderno, puseram em causa os princípios de continuidade, compacidade e legibilidade que caracterizavam a cidade colonial.

A partir de um conjunto de 43 estudos de urbanização, ordenados segundo a data de realização e concebidos entre 1934 e 1974, reuniram-se distintas operações formuladas com um enquadramento legal comum. Assim, a obra organizou-se em três partes fundamentais que complementarmente se articulam:

1. O “Enquadramento” estabelece um panorama geral sobre o fenómeno urbano em Cabo Verde;
2. O inventário de planos, designado por “Instrumentos de intervenção urbana”, constitui o núcleo central da obra e assume-se como um corpus organizado de documentação representativa dos diversos planos e das suas fases de desenvolvimento, caracterizados por uma mesma chave de leitura. Com esta abordagem aos casos de estudo, tratados como conjunto de fichas autónomas, permite-se ao leitor estabelecer leituras cruzadas a partir de uma ordem geográfica e cronológica predeterminada e constituir deduções próprias sobre o assunto;
3. A reflexão ou “síntese da produção urbanística” aborda do ponto de vista comparativo o conjunto dos planos de urbanização inventariados e, para além de distinguir a natureza das suas operações, aflora o contributo das experiências urbanas empreendidas em Cabo Verde, e revela que estas se reflectiram mais no desenho de uma cidade imaginada do que efectivamente na materialização real e concreta dos traçados urbanos sobre o território.

AUTOR

Sérgio Padrão Fernandes (Lisboa, 1977) licenciou-se em 2000 em Arquitectura/Planeamento Urbano e Territorial pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, onde frequentou o curso de Mestrado em Cultura Arquitectónica Moderna e Contemporânea em 2006 e prestou Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica em 2007. Na mesma escola doutorou-se em Urbanismo, no ano 2014, com a tese intitulada “Génese e Forma dos Traçados da Cidade Portuguesa. Morfologia, Tipologia e Sedimentação”.

É docente do Departamento de Projecto da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, onde lecciona desde 2000, e é membro fundador do grupo de investigação FormaUrbisLab. Participa em seminários e publica regularmente artigos no âmbito da morfologia urbana, tendo a sua actividade académica e científica sido reconhecida por diferentes galardões, entre quais se destaca o Premio José de Figueiredo 2008, conferido pela Academia Nacional de Belas Artes, o Prémio Internacional Inácio de Lecea 2007/2008, pelo Public Art and Urban Design Observatory da Universitat de Barcelona e o Prémio Jovens Investigadores UTL, atribuído pela Universidade Técnica de Lisboa em 2010.

*